sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Atualização mensal nov/2017 R$ 107.926,45 (+5,64%)

Olá, companheiros aportadores! Segue minha segunda atualização mensal. Neste mês tentei dar uma melhorada no design, digam aí o que acharam.



Evolução pequena, porém consistente. Meu grande fator de crescimento patrimonial ainda é o aporte, que este mês foi de R$ 7.000, devido ao recebimento da segunda parcela do 13°. O aporte até poderia ter sido um pouco maior, mas provisionei uma grana pras festas de final de ano e pra dar um tapa na manutenção da lata-velha.

Comprei 100 ações da EGIE3, 2 cotas do FII HGRE11 - estou iniciando nessa modalidade, ainda estou estudando, mais umas frações do Tesouro SELIC 2023 (mantenho minha estratégia de esperar uma queda nas cotações ano que vem pra sair às compras).

Diversificação dos ativos


                         
Ainda muito concentrado em Renda Fixa, mas em algum tempo os aportes devem corrigir a distorção (patrimônio não se gira, se acumula).

Estou cogitando trocar de carro, entretanto não quero descer a barreira recém-atingida dos 100k. Por enquanto, sigo aportando e andando com um carro pior que os dos estagiários do meu trabalho - ô vida frugal tensa, viu? kkk. Após juntar o bastante pra comprar sem comprometer os 100k, reavalio.

Não acompanhei quase nada das variações da Bolsa este mês, mas certamente houve desvalorização de algumas (ou todas?) ações. Seguir uma filosofia Buy & Hold focada no longo prazo tem suas vantagens, principalmente pra mim, que não tenho saco pra ficar acompanhando muita coisa.

Serei vitorioso com essa mentalidade? Só o temo dirá.

Vida Pessoal


Mês corrido no trabalho (funça trabalha, sim! eu pelo menos), porém de muita procrastinação na vida particular. Não coloquei nenhum objetivo em prática, provavelmente ficarão todos pro ano novo. =(

Antes do natal quero fazer uma publicação com os projetos para o ano que vem, tentarei estipular metas bem concretas.  Esses posts de metas de ano novo são uns dos meus preferidos de toda blogosfera de finanças, sempre capto ideias muito boas de vocês, quem sabe eu possa contribuir também com alguma coisa?

Este mês passei 2 finais de semana com a garota com quem havia tentado um relacionamento tempos atrás, mesmo eu já tendo desistido de qualquer coisa séria com ela, pois percebi que ela adora um joguinho psicológico, além de se fazer de santinha-exceção, coisa que sei que ela não é (pra cima de mim?).

É incrível como o carinho e a atenção feminina nos entorpecem, somos presas fáceis dessas dominadoras! O cérebro masculino é uma merda nesse aspecto. Culpa da testosterona? Ainda bem que quando estou sozinho eu consigo me reequilibrar.

É só isso aí mesmo, no mais, estou gostando bastante de participar da blogosfera, conheci alguns blogs novos, são muitas histórias de vida, mas todos basicamente em busca da mesma coisa, acho isso fantástico, pois no meu "habitat" natural é quase impossível conhecer pessoas que enxergam o mundo de forma distinta da mostrada pela mainstream media, tal qual ocorre por aqui.

Até a próxima!

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Atualização mensal out/2017 - R$ 101.834,34 (+5,48%)

Olá, companheiros aportadores! Apresento a vocês a minha atualização patrimonial do mês de outubro de 2017.


Como podem ver, neste mês tive a grata surpresa de superar a barreira dos 100k! A projeção inicial era atingir esse patamar somente em dezembro. A ótima valorização de algumas ações adiantou o processo um pouco.

Estou feliz com a evolução do meu patrimônio, embora saiba que é ainda um pequeno floco de neve, um dia chego onde eu quero, basta permanecer no caminho certo.

Diversificação dos ativos


Ações
200 BBSE3 
300 ODPV3 
200 LINX3 
100 BBDC3
100 HGTX3
100 GRND3
100 EZTC3
100 WEGE3
100 ABEV3

Tesouro Direto
0,1 Tesouro IPCA+ 2035 (NTNB Princ)
0,98 Tesouro Selic 2023 (LFT)

Renda Fixa
CDB Liquidez diária R$ 54.800
LCI pós 1 ano R$ 4.300
Poupança R$ 4.600

O aporte desse mês foi de R$ 4.700, comprei um lote de GRND3 e o resto comprei umas frações de Tesouro Selic. Ademais, como podem ver, estou muito concentrado em RF, comecei a aportar em ações só no início desse ano. 

Confesso que estou meio assustado com a valorização monstruosa de algumas ações (algumas mais de 50%!), estou pensando em segurar os aportes na RF e formar um colchão de aportes, pra comprar muita coisa boa em promoção ano que vem!

Que o Bastter me perdoe, já vi inúmeros vídeos nos quais ele detona esse pensamento de sardinha de tentar acertar a baixa, mas o cenário político que se avizinha é assustador (ou animador, pra quem pretende se posicionar em muitos ativos de ótimas empresas).

Imaginem o caos na Bolsa gerado por um provável segundo turno nas eleições presidenciais entre Lula e Bolsonaro! E tal cenário é BEM factível, em praticamente todas as pesquisas eles aparecem isolados na disputa...

Bom, de toda forma, até o final do ano pretendo comprar, mensalmente, um lote de ações de empresas que ainda não possuo em carteira, para fins de diversificação (estou concentrado no setor financeiro e de consumo cíclico). 

Vida Pessoal


Neste último mês estive muito reflexivo sobre diversos aspectos da minha vida. Algumas coisas para mudar, tais como hábitos e vícios que não agregam nada na minha jornada. Minha vida ultimamente é só trabalho, netflix e cerveja. Antes pelo menos estava lendo bastante, atualmente, nem isso. =(   

Estou cansado de todo final de ano fazer aquelas velhas resoluções que nunca são colocadas em prática, ou são abandonadas em menos de 1 mês. Parece que o único segmento da minha vida em que obtive progresso foi no profissional, pois concentrei todos os esforços nessa área, mas agora que não estou mais estudando para concursos sinto um tédio muito grande, um tempo ocioso que preciso ocupar com algo produtivo (sugestões?).

Bom, o certo é que retomei minha rotina de exercícios matinais e pretendo ainda me matricular na academia para fazer muay thai, algo que sempre tive vontade de fazer, por pura procrastinação não faço.

Terminei um namoro de quase 2 anos há alguns meses, tentei engatar um relacionamento com outra garota e não deu certo... não tá fácil encontrar uma pessoa bacana, honesta, fiel, inteligente e LCR (kkk). Não me considero um cara exigente, o mercado tá com oferta baixa. Pra todo lado só tem feminista com passado mais sujo que banheiro de puteiro. Credo!

Vejo alguns amigos que ainda não são servidores (ou são de cargos com salário baixo) imaginando que após a aprovação num bom cargo terão um harém de lindas virgens à disposição... meus amigos, tá difícil pra todo mundo! 

Bom, é isso, meus caros. Se ficou algum ponto mal explicado, podem perguntar aí, ainda estou pegando o jeito de fazer a atualização. Bom feriado a todos (sim, amanhã já é feriado pra mim, me odeiem!).


sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Sobre a felicidade, aportes, frugalidade, IF e depressão

O que pode ser acrescentado à felicidade do homem que goza de boa saúde, não tem dívidas e está com a consciência limpa? Para alguém nessa condição, todos os acréscimos de fortuna podem ser justificadamente considerados supérfluos; [...] Mas, embora pouco se possa acrescentar a essa condição, muito se pode subtrair dela. (Adam Smith)
Percebo que é muito comum entre diversos membros da blogosfera que buscam a independência financeira uma tendência à depressão. Muitos relatam não estarem felizes com inúmeros aspectos de suas vidas (família, trabalho, relacionamentos afetivos, amizades, saúde etc.).

Muito provavelmente, isso se deve ao fato de sermos muito reflexivos, pensarmos demais sobre tais aspectos. Os adeptos do carpe diem não perdem tempo com reflexões, não se preocupam com o futuro, simplesmente vivem, literalmente "deixam a vida os levar".

O fato de estarmos muito concentrados numa alegria futura, que supostamente virá após atingirmos a IF, abandonarmos a necessidade imperiosa do trabalho, obtermos uma renda passiva de nX nossos gastos mensais, poderia estar nos distanciando da felicidade? Estaria a frugalidade e a busca por aportes impossíveis nos impedindo de gozarmos a felicidade plena, que só pode ser obtida na dádiva que se chama presente?

Inspirando pelo ótimo artigo do colega Gari Advogado sobre o filósofo estóico Marco Aurélio, andei relendo alguns trechos da obra de Sêneca, Sobre a brevidade da vida, e gostaria de compartilhar com vocês algumas passagens, sobre as quais tecerei breves considerações e reflexões.
Não é curto o tempo que temos, mas dele muito perdemos. A vida é suficientemente longa e com generosidade nos foi dada, para a realização das maiores coisas, se a empregamos bem. 
Como estamos aproveitando a vida que nos foi dada? Quanto tempo temos gastado com preocupações infrutíferas, idealizações impossíveis e planejamentos financeiros malucos? 
Ouvirás muitos dizerem: “Aos cinqüenta anos me refugiarei no ócio, aos sessenta estarei livre de meus encargos.” E que fiador tens de uma vida tão longa? E quem garantirá que tudo irá conforme planejas? Não te envergonhas de reservar para ti apenas as sobras da vida e destinar à meditação somente a idade que já não serve mais para nada? Quão tarde começas a viver, quando já é hora de deixar de fazê-lo.  
Desnecessário qualquer comentário adicional sobre essa passagem específica. Vamos em frente.
Faz o cômputo dos dias de tua vida: verás que restaram muito poucos dias para ti mesmo. [...]
Cada um faz precipitar sua vida e padece da ânsia do futuro e de tédio do presente. Mas o que emprega todo o tempo consigo próprio, que ordena cada dia como se fosse uma vida, nem deseja o amanhã, nem o teme.
Seria o pensamento voltado em excesso para o futuro a razão de muitos de nós, aportadores frugais em busca da independência/liberdade financeira, termos essa tendência à depressão? Temos neglicenciado em demasia o presente? Qual a solução? Parar de aportar e virar um carpe?
Conto entre os piores os que nunca estão disponíveis para nada, senão para o vinho e os prazeres sensuais, pois não há ocupação mais vergonhosa. [...]
Todos concordam que um homem ocupado não pode fazer nada bem.
Nada é menos próprio do homem ocupado do que viver, pois não há outra coisa que seja mais difícil de aprender. Deve-se aprender a viver por toda a vida, e, por mais que tu talvez te espantes, a vida toda é um aprender a morrer.

Amigos, eu não tenho respostas. Apenas estava refletindo sobre essas questões nos últimos dias e resolvi compartilhar com vocês, não tenho conclusão alguma, porém tenho a convicção de que me tornando um carpe não serei, nem de longe, mais feliz.

Aproveito para indicar outro ótimo artigo, do nobre Frugal Simples, que trata com maestria sobre o tema aqui abordado.

Bom, é isso, amigos. Desejo a todos um ótimo final de semana! Semana que vem pretendo postar o fechamento do mês e a singela evolução patrimonial desse que vos fala!

Abraços.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Porque me tornei servidor público

Eu nunca quis ser nada. Lembro-me de quando os professores perguntavam qual profissão gostaríamos de seguir e os colegas diziam: médico, juiz, advogado, bombeiro, policial etc..  Eu, entretanto, nunca sabia o que queria.

Apenas queria trabalhar e ganhar dinheiro honestamente, o que já fazia desde muito novo (vendi picolé, salgados, fui engraxate, limpei quintal, trabalhei em mercadinhos, fiz de tudo um pouco).

Concurso público surgiu na minha vida no último ano do ensino médio, quando fui alertado por um parente sobre o certame de um banco, cujo salário era uns R$ 1.500, muito dinheiro pra mim à época.

Pensei: quer dizer que se eu passar nessa prova eu vou ganhar esse salário, sem precisar da indicação de ninguém? Nesse momento decidi que iria fazer concursos públicos.

Não consegui a aprovação no primeiro concurso, mas continuei os estudos e com uns 6 meses de estudos logrei a aprovação em outro, com a mesma faixa salarial.

Após isso, fiz um curso tecnólogo EaD numa uniesquina, continuei estudando e atualmente sou Analista do Poder Judiciário Federal.

Em resumo: não foi por "vocação", "desejo de servir", nada do tipo. Foi praticamente a minha única opção de "crescer na vida".

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Apresentação

Olá, futuros leitores!

Sou homem, solteiro, na faixa dos 30 anos, servidor público do judiciário federal. Invisto "pra valer" há aproximadamente 2 anos.

Desde então, comecei a acompanhar vários blogs da blogosfera (Viver de Renda, Além da Poupança, Funcionário Público Investidor, Corey, Pensamentos FinanceirosFrugal SimplesCarreira de ConcurseiroSeu Madruga, Pobretão de Vida Ruim... são muitos!) e sempre quis abrir o meu, o que não fazia por preguiça.

Quero que este blog seja, além de um diário de evolução financeira e pessoal, um meio de comunicação com outros investidores. 

Também pretendo passar algumas dicas para os "concurseiros" sobre estudos, materiais, concursos, estilo de vida... a pretensão é grande! kkk

Bem, meu objetivo financeiro é alcançar a tranquilidade financeira antes dos 40. Tornei-me adepto da "filosofia" Bastter e não quero ficar dependente do governo como minha exclusiva fonte de renda na velhice. 

Nos próximos posts, falarei da minha trajetória com os investimentos, bem como da humilde evolução patrimonial nesse breve período de caminhada.